Médico confunde contrações com pedra no rim e bebê morre cinco dias após parto prematuro


Mãe foi duas vezes à emergência do hospital, que se recusou a interná-la

Um menina recém-nascida morreu apenas cinco dias depois do parto porque o médico confundiu o trabalho de parto com pedras nos rins. A denúncia é de Davina Neild, que começou a sentir dores na altura do estômago 15 semanas antes da data prevista de nascimento de sua quinta filha

 

Davina, que tem 34 anos, contou ao jornal Daily Mail que começou a sentir contrações, mas que foi apenas na segunda visita ao Whiston Hospital, em Widnes, Reino Unido, que os médicos finalmente se deram conta de que sua filha estava a caminho. A grávida foi, então, transferida para uma unidade neonatal, e deu à luz Isla Dolly, que pesava apenas 500 g

No entanto, apenas cinco dias depois do parto, Davina e seu marido, Christian tiveram que enfrentar a maior dor de uma vida — a pequena Isla não resistiu e acabou morrendo.

Um porta-voz do hospital disse que, em ambas as visitas de Davina ao hospital antes do nascimento, ela não tinha sinais médicos de trabalho de parto. A mãe, por sua vez, alega que o hospital se recusou a interná-la e fingiu não notar as contrações, a fim de atrasar o parto


— Se eles tivessem me escutado, teriam tomado as medidas corretas. Eu fiquei arrasada por ser ignorada, e ouvir que eu estaria possivelmente sofrendo uma crise de pedras nos rins. Foi tão surreal dar à luz depois de ser recusada duas vezes. Tenho outros quatro filhos, e desta vez as coisas definitivamente não correram de uma maneira normal. Fiquei frustrada por não acreditarem em mim, porque eu sabia que minha bebê estava chegando

— Ela tinha muitos tubos ligados a ela, mas era tão perfeita, um bebezinho normal, só que muito pequena. Eu me lembro de pensar que ela tinha pés grandes. Eles eram tão fofos, e ela era tão querida. Um dia, fui tomar banho e recebi um telefonema dizendo que ela havia piorado. Nunca corri tão rápido na vida, mas pelo menos consegui segurá-la por uma última vez.

A família tem outros quarto filhos. Charlotte, dois anos, Christopher, quatro anos, Olivia, cinco anos, e Emily, 11 anos.

Eles agora dizem às crianças que, quando chove, Isla está dançando para eles, e, quando faz sol, Isla está sorrindo lá de cima para todos eles

 

 


Avalie este Artigo?


Mais pra voce!